A educação: um direito de todos e todas

Restabelecendo o lugar dos sujeitos nas análises sobre a educação

 

O debate sobre a educação, como ferramenta básica de socialização e de inclusão social, atravessa diferentes contextos históricos. Desde a criação dos estados nacionais na América Latina, quando a educação constituía a principal ferramenta de integração nacional, homogeneidade populacional e desenvolvimento das sociedades; até a atualidade, quando após décadas de aprofundamento da pobreza e da desigualdade, a educação torna-se uma ferramenta central para garantir a inclusão social. As novas leis de educação implementadas na maioria dos países da região a partir do ano de 2006 ampliam o período de obrigatoriedade da escola e têm uma forte tendência à inclusão1.  Além disso, as Metas Educativas 2021(OEI), enfatizam a redução da pobreza e das desigualdades, principalmente as educativas, com o objetivo de garantir uma educação de qualidade para todas as pessoas2.

Por sua vez, as distintas mobilizações estudantis -especialmente no Chile e na Colômbia- evidenciam as dificuldades que têm os atuais modelos educativos da região para lidar com as tensões entre a duração do processo, a massividade do mesmo e as desigualdades sociais. – LEIA A MATÉRIA COMPLETA NO SITE DA EQUIDADE PARA A INFÂNCIA AMÉRICA LATINA