Artigo: Brincar é uma forma de aprender os princípios da solidariedade e da colaboração

Embora o brincar esteja presente desde o início da trajetória de vida da criança, em nossa sociedade a ideia do brincar ainda está associada aquilo que carece de seriedade e utilidade, assumindo frequentemente o significado de oposição ao trabalho, tanto no contexto da escola quanto no cotidiano familiar. Nem mesmo a vasta literatura produzida nas últimas décadas afirmando a importância da brincadeira nos processos de desenvolvimento e de aprendizagem não foi capaz de modificar as ideias e práticas que reduzem o brincar a uma atividade de menor importância. Porém, se considerarmos que o brincar é a maneira pela qual as crianças estruturam o seu tempo, ou seja, suas vidas, precisamos reconhecer que falamos de direitos humanos.

Brincar é antes de tudo, um direito da criança, direito garantido em lei. As crianças são sujeitos de direitos, e como tal, devem ser respeitadas em suas necessidades e especificidades. O que a criança realmente precisa é o reconhecimento do seu tempo livre e de espaços e recursos adequados. Portanto, as brincadeiras devem estar desvinculadas de qualquer utilidade ou rendimento posterior. Brincar produz prazer, transporta a um tempo e a um lugar único onde a criança pode dominar por ser sua criação. A brincadeira constitui o reino do possível, do aceitável e do modificável, por esta razão, existe uma finalidade em si mesma.

As crianças pequenas passam por um período de egocentrismo que é necessário para o seu desenvolvimento, elas necessitam ser conscientes da sua importância e que podem interagir com seu entorno e com as pessoas que lhes rodeiam. Porém, também é certo que necessitam compreender que não são onipotentes. O fato de ter que seguir alguns combinados, chegar ao consenso em relação ao que brincar, como brincar e com quem brincar, desenvolve algumas estratégias necessárias para aprenderem a lidar com a frustração. Uma criança que aprende a utilizar o diálogo e a reflexão na resolução dos seus conflitos, dificilmente aceitará e legitimará a violência como uma alternativa possível.

Ao brincar com seus pares as crianças exercitam estes princípios de negociação e de colaboração e, mesmo que em muitas brincadeiras infantis não existam regras explícitas, uma série de normas se fazem presente.

Nesse sentido, elas aprendem que se não respeitarem estas normas acordadas explicitamente, ou não, podem ser rejeitadas ou hostilizadas pelos seus pares. Também, aprendem que em caso de conflitos de interesses, essas regras podem ser negociadas. Negociar se aprende negociando. Se pensarmos em solidariedade, as brincadeiras infantis estão intimamente associadas a este valor, pois para poder brincar é fundamental ser solidário, respeitar o colega e cooperar. Para poder brincar as crianças necessitam aceitar as regras, considerando o direito do outro. Assim, por meio das brincadeiras, elas criam laços de solidariedade e de comunhão.

(artigo escrito por Yara R. de la Iglesia,  coordenadora Pedagógica da Educação Infantil do Centro Educacional Marista Irmã Eunice Benato, do Grupo Marista. A Rede Marista de Solidariedade é integrante da Rede Nacional Primeira Infância)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>