Boletim Primeira Infância em Primeiro Lugar

12 a 18 de Junho

Nacional

Estrutura de creches é insuficiente, diz estudo

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) aprovada em 2009 trouxe um novo desafio educacional para o País: incluir na escola, até 2016, todas as crianças a partir dos 4 anos de idade. Mas, além da matrícula, será preciso esforço ainda maior para garantir educação de qualidade a essa faixa etária. Pesquisa do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e do Ministério da Educação (MEC) mostra que as creches e pré-escolas ainda contam com estrutura e projeto pedagógico insuficientes para garantir o desenvolvimento dos alunos. O estudo foi divulgado em São Paulo (SP), durante o seminário Educação Infantil no Brasil: Avaliação Qualitativa e Quantitativa. A secretária de Educação Básica do MEC, Maria do Pilar Lacerda, avalia que os resultados preocupam, mas já eram esperados. Ela ressalta que somente na última década a pré-escola e a creche deixaram de ser administradas pelas secretarias de Assistência Social e passaram a ser vistas como serviço da área de educação. (A notícia foi publicada nos principais jornais do País – 15/06/2010)

7,8 milhões de crianças vacinadas contra a poliomielite

Dados do Ministério da Saúde revelam que pelo menos 7,8 milhões de crianças foram vacinadas na primeira etapa da campanha contra a poliomielite (paralisia infantil) no último sábado (12). O contingente representa pouco mais da metade dos 14,6 milhões de crianças que o governo busca imunizar. A estimativa não inclui boa parte dos imunizados em estados que tiveram problemas na coleta de informações ou que ainda estão atualizando os dados. Segundo Carmem Osterno, coordenadora-geral do Programa Nacional de Imunizações, a pasta está confiante de que a meta de imunizar 95% das crianças com menos de 5 anos será atingida. A segunda dose da vacina será aplicada no dia 14 de agosto. (A notícia foi publicada nos principais jornais do País – 14/06/2010)

Bahia

Amamentação pode prevenir a asma

Pesquisadores afirmam que a amamentação também pode ser uma arma contra a asma. Estudo feito pelo Instituto Karolinska, na Suécia, destaca que a mãe, ao amamentar exclusivamente seu bebê durante pelo menos os primeiros 4 meses de vida, transfere para o filho anticorpos e proteínas que podem impedir o aparecimento de infecções. Os estudiosos suecos avaliaram cerca de quatro mil crianças, sendo estas acompanhadas até os 8 anos de idade. Os resultados indicam que as crianças que foram amamentadas exclusivamente por pelo menos 4 meses apresentaram 37% menos riscos de asma do que as que foram amamentadas por menos tempo. Outra conclusão do estudo é que o aleitamento materno proporciona melhor função pulmonar aos 8 anos de idade. (Folha do Estado (BA) – 17/06/2010)

Distrito Federal

Mais uma chance contra a pólio

Em razão do não cumprimento da meta de imunizar 95% das crianças até 5 anos do Distrito Federal contra a poliomielite, a campanha de vacinação continuará ao longo desta semana nos 91 postos e centros de saúde espalhados pelas regiões administrativas. No sábado (12), a Secretaria de Saúde do DF organizou 346 pontos para atender à população, montando tendas em shoppings, na rua e no Parque da Cidade, mas apenas 159.018 doses foram aplicadas, contemplando 71,9% da população-alvo. Pais que não levaram os filhos para tomar a gotinha contra a pólio, também conhecida como paralisia infantil, podem comparecer até sexta-feira (18) aos locais de vacinação, das 8h às 17h. No final desta semana, a Secretaria de Saúde do DF fará uma nova avaliação e, caso a meta de imunização não seja atingida outra vez, a campanha voltará a ser prorrogada. (Correio Braziliense (DF), Mariana Branco – 14/06/2010)

Mato Grosso do Sul

Campanha contra pólio já imunizou 6,5 milhões de crianças

Iniciada no dia 12 deste mês, o Ministério da Saúde divulgou um balanço parcial da vacinação, já foram imunizadas em média 6,5 milhões de crianças na primeira etapa da campanha nacional. Porém, nestes dados não estão inclusos parte dos imunizados em estados que tiveram problemas pontuais na coleta de informações ou que ainda estão atualizando os dados. Foram investidos R$ 40,9 milhões na campanha. A segunda dose da vacina será aplicada no dia 14 de agosto.
Área isolada terá vacinação – A Fundação Nacional da Saúde (Funasa) e a Marinha irão levar na próxima semana, vacinas contra paralisia infantil para a ilha Insuã, localizada no Pantanal Sul-Mato-Grossense. Distante 350 quilômetros de Corumbá, a chegada ao local só pode ser feita de barco ou de helicóptero. São cerca de 300 índios da etnia Guató que vivem isolados numa área de 10.900 hectares. (Folha do Povo, Pág, B-2; 14/06/2010)

Campo Grande participa de projeto nacional para diminuição da mortalidade infantil

Campo Grande está entre as cinco capitais que irá implantar o projeto Brasileirinhos e Brasileirinhas Saudáveis, do Ministério da Saúde. O objetivo é garantir a vida da mulher e do bebê, além de contribuir para a diminuição da taxa de mortalidade infantil. Para o secretário municipal de Saúde, Leandro Mazina Martins, a Capital está entre as escolhidas devido a boa estrutura de atenção básica e pela experiência no atendimento com os Centros de Atenção Psicossociais (Caps) Infantil e o Pós – Trauma, único no país que atende pessoas que passaram por situações traumáticas. “Crianças de 0 a 6 anos serão atendidas em sua totalidade: saúde, psicológico e emocional. Em 2011 deve ser estendido para todo o país”, explica o secretário. Entre os objetivos divulgados pelo Governo Federal, está o de fazer com que as grávidas passem por cerca de quatro consultas durante a gestação, com cuidado diferenciado para adolescentes, mulheres com depressão, indígenas, usuárias de drogas e tabaco, deficientes e detentas. O aleitamento materno na primeira hora de vida e exclusivo nos primeiros seis meses é outro foco das ações do projeto nacional. (Correio do Estado, Pág, 14 –A; 14/06/2010)

Paraná

Gotinha contra pólio prorrogada até sexta-feira

A campanha de vacinação contra a poliomielite (paralisia infantil) em crianças com menos de 5 anos não atingiu a meta e, por isso, foi prorrogada no Paraná. O objetivo era imunizar 736 mil crianças, 95% do total nesta faixa etária. Segundo a Secretaria de Saúde do Estado (Sesa), foram aplicadas 515 mil doses. Em Curitiba, 108.485 crianças receberam as gotinhas. A capital chegou próximo de 90% da meta. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a vacina está disponível em todas as unidades básicas e de saúde da família, no horário normal de funcionamento. A vacinação segue até a sexta-feira (18). Esta é a primeira etapa da campanha contra a paralisia infantil; a segunda está prevista para 14 de agosto. (Gazeta do Povo (PR) – 15/06/2010)

Bebês que recebem massagem são mais sadios

O toque é o primeiro tipo de comunicação do bebê. Segundo Katja Guimarães, sócia gerente do Centro de Shiatsu Tereza Zanchi, a massagem ajuda no bem-estar, acalma e proporciona um sono melhor para os pequenos, consequentemente dando mais qualidade de vida tanto para as mães quanto para os bebês. Técnica milenar originária da Índia, a shantala é uma massagem própria para bebês e crianças até sete anos. A shantala pode ser feita pelos pais do bebê, em geral no próprio colo ou por um massoterapeuta em um lugar apropriado. As crianças que recebem constantemente massagem choram menos, são mais atentas e sociáveis, tem menos dores de barrigas e gases, tem uma tendência menor a ter problemas alérgicos, desenvolvem melhor a parte motora, pois, estão fortalecendo a musculatura. (Jornal do Estado (PR) – 15/06/2010)

Piauí

Pesquisa diz que bebê já faz cálculos antes de falar

Pesquisa que será publicada na próxima edição da revista Ciência Psicológica sugere que o ser humano usa informações sobre quantidade para organizar sua experiência no mundo desde os primeiros meses de vida e que a quantidade parece ser uma ferramenta poderosa para fazer previsões sobre como os objetos deveriam se comportar. Segundo os resultados, os bebês entendem conceitos como mais do que e menos do que e podem organizar informações, como números, espaço e tempo bem mais cedo e de formas mais complexas do que se imaginava até agora. Segundo a coautora do estudo, Stella Lourenço, os bebês só precisam ter uma experiência com qualquer um desses conceitos de quantidade para imaginar como são os outros. (Meio Norte (PI) – 16/06/2010)

São Paulo

Shoppings barram carrinhos de bebê em escada rolante

Na tentativa de evitar acidentes em escadas rolantes, ao menos cinco shoppings centers do estado de São Paulo instalaram barreiras de metal que impedem a passagem de carrinhos de bebê. Segundo o diretor de Assuntos Institucionais da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), Luís Augusto Ildefonso da Silva, as escadas rolantes não são o meio correto de transportar bebês em carrinhos. Os veículos certos são elevadores e rampas fixas. Alessandra Françoia, coordenadora nacional da ONG Criança Segura, diz que a iniciativa das barreiras é válida, pois as rodas do carrinho podem se prender no final da escada ou entre os vãos dos degraus. E, caso ocorra algum descuido e os pais tenham esquecido de atar o cinto de segurança na criança, o bebê pode deslizar para fora do carrinho porque ele é conduzido inclinado na escada. (O Estado de S. Paulo (SP), Luísa Alcalde – 15/06/2010)

De zero a dez, educação infantil recebe 3,4

A educação infantil brasileira merece nota 3,4, em uma escala de zero a dez. A conclusão é da pesquisa Educação Infantil no Brasil: avaliação qualitativa e quantitativa, realizada pela Fundação Carlos Chagas em parceria com o Ministério da Educação e o Banco Interamericano de Desenvolvimento, cujos resultados serão apresentados hoje (14) e amanhã (15). O estudo mediu a qualidade da creche (de zero a 3 anos) e da pré-escola (4 e 5 anos) em seis capitais de todas as regiões do País: Belém, Campo Grande, Florianópolis, Fortaleza, Rio de Janeiro e Teresina. A nota 3,4 demonstra que a qualidade do ensino infantil tem nível básico (de 3 a 5) – os outros estágios eram: inadequado (1 a 3), adequado (5 a 7), bom (7 a 8,5) e excelente (8,5 a 10). Foram avaliados 43 aspectos divididos nas seguintes áreas: espaço e mobiliário (média 3,1); rotinas de cuidado pessoal (4,1); linguagem e raciocínio (3,7); atividades (2.3); interação (5,6); estrutura do programa (2,5) e pais e equipe das escolas (3,6). (O Estado de S. Paulo (SP) – 14/06/2010)

Rio Grande do Sul

Incidente em creche serve de alerta

Ao pensar que todas as crianças já haviam sido entregues aos pais, funcionárias de uma creche de Porto Alegre (RS) esqueceram por cerca de uma hora uma menina de 3 anos que dormia em uma das salas. O lapso, ocorrido na segunda-feira (14), serviu como um alerta para educadores e pais. Segundo Cristine Fernandes Costa, coordenadora do Setor de Regulamentação dos Estabelecimentos de Educação Infantil da Secretaria Municipal da Educação do Rio Grande do Sul, as creches precisam ter mecanismos para evitar esquecimentos. Os pais também devem buscar as crianças no horário ou avisar a escola sobre atrasos. Neste caso, a creche tem obrigação de ficar com as crianças até o responsável chegar. (Zero Hora (RS) – 16/06/2010)

Sergipe

Pesquisa revela baixa qualidade da Educação Infantil no Brasil

Uma pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas, em parceria com o Ministério da Educação e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), conferiu nota 3,4 para a Educação Infantil no Brasil. O estudo apontou que 49,5% das creches e 30,4% das pré-escolas apresentam qualidade de ensino inadequada. O item que teve pior avaliação diz respeito ao desenvolvimento de atividades nessas duas etapas do ensino, enquanto que a interação entre professores e alunos foi o aspecto que mais se destacou positivamente na pesquisa. Também foram avaliados o programa pedagógico, a estrutura física e a equipe de profissionais. Uma das conclusões do estudo é que crianças com acesso à Educação Infantil de qualidade têm melhores resultados na trajetória escolar. Mesmo assim, a falta de políticas públicas ainda prejudica a aprendizagem na Educação Infantil. De acordo com o diretor de comunicação do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Sergipe (Sintese), Roberto Silva, a política de creches no Brasil é muito ruim, não havendo prioridade para o financiamento dessa etapa da educação. Ele garante ainda que o sindicato reivindica diariamente às prefeituras sergipanas a construção de novas creches, que necessitam de maiores investimentos que as escolas. Na avaliação da presidente do Sindicato dos Professores do Ensino do Município de Aracaju (Sindipema), Maria Elba da Silva, o resultado da pesquisa reflete a falta de estrutura física dos prédios onde funcionam as creches, a baixa remuneração dos profissionais e as falhas do ponto de vista pedagógico. Para ela, o número reduzido de creches também contribuiu com o resultado obtido na pesquisa. “Em Aracaju ainda existem crianças fora da escola, o que pode ser explicado também pela recente universalização do acesso à Educação Infantil. Há pouco tempo, esse não era um direito obrigatório”. (Jornal da Cidade, p. Cidades B2, Janaína Cruz – 16/06)

Promotoras comprovam ampliação de leitos em maternidade

As promotoras de Justiça Euza Missano e Alessandra Pedral, do Ministério Público Estadual (MPE), fizeram uma visita surpresa, nas dependências da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes. O objetivo da visita foi verificar se a unidade de saúde cumpriu com o que foi acordado no Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), no dia 12 de maio, após a ocorrência de mortes de recém-nascidos na maternidade. Uma das determinações está relacionada à superlotação, problema que a maternidade se comprometeu a resolver através da implantação de 17 leitos. De acordo com a promotora Alessandra Pedral, durante a visita foi possível verificar que a inclusão dos leitos já foi feita e que a maternidade dispõe de um bom número de vagas em alguns espaços. Ela declarou que ainda faltam alguns ajustes, como o cumprimento de uma ordem judicial que determina a implantação da UTI materna, porém a maternidade ainda está dentro do prazo estabelecido e já informou que as providências estão sendo tomadas a fim de cumprir a determinação. O superintendente da maternidade, Juan Rivas, explicou que a visita já era aguardada e que é uma oportunidade importante para mostrar o serviço prestado pela unidade. (Jornal Correio de Sergipe, p. Geral A11, Fábio Brito; Jornal da Cidade, p. Cidades B1 – 17/06)

Vacinação contra paralisia infantil ainda não atingiu meta em Sergipe

Com o tema ‘Vacinou, é Gol’, a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite, realizada no último dia 12, atingiu uma cobertura vacinal de apenas 59,75% na capital e 43,91% em Sergipe. Os dados do programa Nacional de Imunização (PNI – Data SUS) apontam que, mesmo com esse percentual, o Estado ocupa o quinto lugar no ranking em cobertura vacinal. A expectativa da Secretaria de Estado da Saúde é que cerca de 185 mil crianças com idade entre zero e cinco anos sejam vacinadas em todo Estado. Para quem não conseguiu levar o filho para tomar a dose, as vacinas estão disponíveis nas Unidades de Saúde da Família até a sexta-feira, dia 18. A coordenadora de imunização da Secretaria Municipal de Saúde, Débora Moura, lembra que as famílias devem procurar as unidades para garantir que a paralisia infantil no país continue erradicada. Este ano, a segunda etapa da vacinação contra paralisia infantil está marcada para 14 de agosto.

(Jornal do Dia, p. Cidades 07 – 15/06)

Secretaria de Educação e pais de alunos discutem situação da creche Neuzice Barreto

A Secretária Municipal de Educação, Tereza Cerqueira, já foi notificada sobre a interdição da creche Neuzice Barreto, localizada no Centro de Atendimento Integral à Criança (Caic) José Antônio da Costa Melo, no bairro Getúlio Vargas. A decisão de isolar a área foi tomada pelo juiz José dos Anjos ao constatar, durante visita ao local juntamente com o promotor de justiça Fausto Valois, precárias condições de funcionamento. A presidente do Sindicato dos Profissionais de Ensino do Município (Sindipema), Maria Elba da Silva, já tinha conhecimento dos problemas e aprovou a decisão do juiz. Segundo ela, os professores reclamam muito das condições do local e da falta de segurança, já que a instituição encontra-se isolada e está cercada de mato. O promotor de justiça Fausto Valois foi informado de que há uma ordem de serviço para reforma de todo complexo do Caic, inclusive na creche Neuzice Barreto. Caso as determinações não sejam cumpridas no prazo de oito dias a partir da notificação, será aplicada multa diária de R$ 500,00. A assessoria de comunicação da Secretaria de Educação só se pronunciará após a reunião prevista para acontecer hoje. (Jornal da Cidade, p. Cidades B8, Janaína Cruz; Jornal Correio de Sergipe, p. Geral A4 – 11/06)

3 comentários para “Boletim Primeira Infância em Primeiro Lugar

  1. pARA A OMEP-BR-SC,É MUITO IMPORTANTE RECEBERMOS ESTE BOLETIM,POIS NOS COLOCA EM DIA COM AS QUESTÕES DA CRIANÇA,EM ESPECIAL A CRIANÇA NA PRIMEIRA INFANCIA.ASSIM COMO A OMEP-BR-SC,REPASSA PARA AS SUAS ASSOCIAÇÕES REGIONAIS,DIVULGANDO….

    PARABENS,CONTINUEM NOS MANTENDO INFORMADOS.

    ELAINE PAES E LIMA
    PRESIDENTE DA OMEP-BR-SC

  2. Fico muito contente que tenha um espaço como este e com esta preocupação. Essa iniciativa faz com que tenhamos mais informações e melhor entendimento sobre a primeira infancia.

  3. Fico muito contente que tenha um espaço como este e com esta preocupação. Essa iniciativa faz com que tenhamos mais informações e melhor entendimento sobre a primeira infancia.
    Alesnadra da Cruz
    OMEP-ARVART-SC
    MEMBRO DA SECRETARIA EXECUTIVA DO FÓRUM DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA AMUREL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.