Plano Nacional Primeira Infância

Em 07/12/2010 foi lançado em Brasília o Plano Nacional Pela Primeira Infância, a proposta é uma sugestão que propõe ações amplas e articuladas de promoção e realização dos direitos da criança Infância, que propõe ações amplas e articuladas de promoção e realização dos direitos da criança de até seis anos de idade nos próximos doze anos. Neste Plano estão traçadas as diretrizes gerais e os objetivos e metas que o País deverá realizar em cada um dos direitos da criança afirmados pela Constituição Federal e pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, pelas leis que se aplicam aos diferentes setores, como educação, saúde, assistência, cultura, convivência familiar e comunitária e outros que lhe dizem respeito.

Contribuição da Psicologia para o fim da publicidade dirigida à criança

Clique aqui para fazer download. Parecer do Conselho Federal de Psicologia sobre a publicidade dirigida à criança e adolescente. “Neste parecer apresentamos como contribuição para a qualificação dos debates e como sinalizador do cuidado necessário que se deve ter quando interesses de consumo interferem no desenvolvimento da cidadania do nosso povo. Consideramos oportuno, portanto, que a sociedade brasileira aproprie-se deste posicionamento, ampliando o conjunto de estratégias a serviço do fim da publicidade dirigida a crianças e adolescentes.”

GT Criança na X Conferência Nacional dos Direitos da Criança e Adolescente

Registro fotográfico dos trabalhos do GT Criança, que reuniu crianças de 7 a 11 anos, delegadas por seus estados, na X Conferência Nacional dos Direitos da Criança e Adolescente, que aconteceu entre os dias 24 e 27 de abril de 2016 em Brasília. Para ver a matéria do evento, clique aqui. 

II Seminário Saúde e Primeira Infância

Registro fotográfico do II Seminário Saúde e Primeira Infância, que reuniu cerca de 150 pessoas de todo o Brasil no auditório do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro, para debater dois temas: a epidemia de microcefalia provocada pelo zika vírus, e a mortalidade infantil em comunidades tradicionais. Para rever a matéria de cobertura do evento, clique aqui.

Postais sobre paternidade “Homem que é homem cuida de criança”

postal-homem-que-e-homem-cuida-de-crianc3a7a postal-paternidade-e-amamentac3a7c3a3o1

Unidade de Saúde Parceira do Pai

Clique aqui para fazer download. “Este guia contém informações e recomendações para ajudar na implantação de Unidades de Saúde Parceiras dos Pais. Caberá a cada serviço discuti-las e encontrar seu próprio caminho para construir uma prática assistencial que permita que homens e mulheres compartilhem, com segurança e responsabilidade, o cuidado com os filhos. Assim estaremos – todos – contribuindo para a promoção de uma sociedade mais saudável, solidária, democrática e comprometida com o cuidado com a vida. Esta publicação é fruto dessa experiência de oito anos e do esforço coletivo dos profissionais de saúde e parceiros, que vêm criando novas possibilidades de inserção dos homens e pais nos serviços de saúde, em sintonia com as mudanças pelas quais as famílias estão passando.”

Circulador: Aprendendo a ser pai

Clique aqui para fazer download. A presente publicação apresenta experiências de valorização da paternidade de algumas das instituições que aderiram a esta causa. Com coragem, sensibilidade e criatividade, apostaram na possibilidade de mudança e construíram estratégias para valorizar os homens e envolver os pais, a partir das oportunidades do dia-a-dia, mostrando que, através dos nossos serviços, podemos construir uma sociedade mais saudável, justa, solidária e comprometida com a valorização da vida.

Pelo fim dos castigos físicos e humilhantes

Clique aqui para fazer o download. “O ponto de partida deste material é o entendimento de que as crianças têm o direito a um ambiente seguro e protetor, ou seja, crescer em famílias onde estejam livres da violência e tenham os cuidados que precisam para se desenvolver. Estes direitos estão contemplados no Estatuto da Criança e do Adolescente e na Convenção dos Direitos da Criança.Este manual é uma ferramenta que pode ser utilizada por profissionais de diversas áreas que pretendem envolver as famílias em um processo reflexivo e de sensibilização sobre os castigos físicos e humilhantes contra crianças.”

Contribuições para a política nacional: A avaliação em Educação Infantil a partir da Avaliação de Contexto

Clique aqui para fazer o download da publicação virtual, uma contribuição dos integrantes do Projeto “Formação da Rede em Educação Infantil: Avaliação de Contexto” para a política nacional de avaliação em Educação Infantil. O projeto é uma ação da Universidade Federal do Paraná com outras universidades brasileiras (Universidade Federal de Minas Gerais, Universidade Federal do Rio de Janeiro e Universidade do Estado de Santa Catarina), além da universidade italiana – Università degli studi di Pavia/Itália – e conta com a par-ceria técnica e financeira da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação.