Piauí – I Fórum Estadual de Enfrentamento e Erradicação da Mortalidade Materna-Infantil, Neonatal e Responsabilidade Social

Estão abertas as inscrições para o I Fórum Estadual de Enfrentamento e Erradicação da Mortalidade Materna-Infantil, Neonatal e Responsabilidade Social, que ocorrerá nos dias 08, 09 e 10 de agosto nos auditórios da OAB-PI e ESA-Piauí. A participação emitirá certificado de 30h/a. O evento tem como público-alvo profissionais e estudantes de Graduação das diversas áreas do conhecimento em ciências da saúde, social e biológicas.

O assunto integra um dos itens dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU), que visa promover um debate a nível estadual sobre a importância dos cuidados para a saúde da mulher. Além de preconizar por melhorias nas políticas públicas que ajudem a garantir condições médicas de qualidade para as gestantes piauienses.

A mortalidade infantil em 2016 interrompeu décadas de queda de mortes de bebês no Brasil, mostram dados do Ministério da Saúde. Pela 1ª vez desde 1990, o país apresentou alta na taxa: foram 14 mortes a cada mil nascidos em 2016; um aumento de 4,8% em relação a 2015, quando 13,3 mortes (a cada mil) foram registradas. Desde 1990, o país apresentava queda média anual de 4,9% na mortalidade.

“Mulheres grávidas enfrentam riscos significativos para a saúde que, muitas vezes, podem ser fatais também para seus bebês. A realização do Fórum representa a democracia e pluralidade necessária quando se trata da atenção integral à saúde da mulher e da criança e a estratégia de qualificação da atenção obstétrica e infantil”, afirma a presidente da Comissão de Apoio à Vítima de Violência da OAB-PI, Alba Vilanova.

Entre os fatores que levam à morte materna estão a falta de transporte de emergência e de equipes devidamente capacitadas, sangue para transfusões, tratamento aquém dos padrões minimamente requeridos em instituições de saúde e também fatores relacionados à comunidade e à paciente. E ainda, a morte materna decorrente da violência obstétrica é silenciosa, não notificada, é uma grave injustiça social e que para evitá-la é necessário fazer intervenções baseadas em evidências, realizar tratamentos respeitosos e culturalmente apropriados, priorizando sempre a escolha da mulher.

O IBGE aponta que a cada mil crianças que nascem no Piauí, 19 morrem. Os altos índices de mortalidade infantil estão relacionados com alguns fatores: rendimentos familiares, alimentação, condições higiênicas e sanitárias, condições de habitação. Esse índice varia muito com as condições econômicas da família. Mesmo em regiões pobres, eles variam entre as famílias com melhores condições.

A média de crianças com menos de um ano de idade que vai a óbito no Piauí, representada pela Taxa de Mortalidade Infantil (TMI), é maior que a média nacional, de acordo com a estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada no Diário Oficial da União. A estimativa indica que, em 2016, enquanto a taxa de mortalidade infantil nacional foi de 13,29 a cada mil crianças nascidas; no Piauí, é de 19,11.

As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo site www.oabpi.org.br/portaldoaluno. O investimento é de 1kg de alimento não perecível, que deverá ser entregue na confirmação da inscrição no dia e local do vento. Todos os alimentos arrecadados serão destinados a instituições filantrópicas com atuação na capital. Outras informações: (86) 2107-5823/ 5828.

O evento é uma realização da Comissão de Apoio à Vítima de Violência da OAB-PI, em parceria com as Comissões de Direito da Saúde, da Mulher Advogada e de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente. Além de contar com o apoio do Conselho Regional de Medicina, Conselho Regional de Enfermagem, Conselho Regional de Psicologia, Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Associação Piauiense de Ginecologia e Obstetrícia, Associação de Conselheiros e Ex-Conselheiros Tutelares do Estado do Piauí, Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstetras e Coordenadoria Estadual da Mulher.

Fonte: OAB-PI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *