Prevenção à violência na primeira infância é trabalhada na praça Tamandaré

O entorno do coreto da Praça Tamandaré foi transformado, na tarde do dia 17 de outubro, em espaço de ações contra a violência na primeira infância.

No local, o programa PIM – Primeira Infância Melhor, junto com o Núcleo de Prevenção à Violência e outros programas da SMS – Secretaria Municipal de Saúde, promoveram o Dia D alusivo à Semana Nacional de Prevenção à Violência na Primeira Infância (de 12 a 18 de outubro), instituída pela Lei 11.523, de agosto de 2007.

Durante o evento, foi realizado um circuito de atividades e informações sobre o tema. Adultos e crianças que passavam pelo local eram convidados a participar. Os profissionais e outros servidores envolvidos conversavam com os pais ou responsáveis por menores, orientando-os, e entregavam a eles folders com informações sobre os programas da SMS. Enquanto isso, eram oferecidas às crianças várias opções de entretenimento, como montagem de painéis temáticos, atividades lúdicas, cama elástica, piscina de bolinhas e tatuagens. Também foi distribuído algodão-doce para as crianças.

A banda da Escola Municipal de Ensino Fundamental Helena Small fez a abertura do Dia D, cuja promoção envolveu ainda os programas Saúde da Mulher, Estratégia Saúde da Família, Unidades Básicas de Saúde (UBS), Hiperdia, Vigilância Epidemiológica, Saúde do Idoso, Saúde do Deficiente e Saúde da Criança.

Conforme a Assistente Social Cecília Colembergue da Cunha, Coordenadora do PIM, esse programa já trabalha a prevenção à violência contra a criança com as 800 famílias que atende. Essa ação se dá por meio de orientação aos pais quanto à melhor forma de educar os filhos, sem bater. O PIM atende gestantes e crianças de até seis anos de idade. E a intenção com as ações desenvolvidas ontem foi conscientizar outras pessoas da comunidade.

Cecília observa que a maioria dos casos de violência contra as crianças ocorrem em suas residências, sendo praticados por pais, tios, avós e até vizinhos. São violências física e psicológica, que terão sérias consequências na formação delas. Ela chama atenção para o fato de que também se constituem atos de violência contra a primeira infância violar seus direitos, como os de brincar, de ir à escola, de fazer as vacinas, de alimentar-se e ao pré-natal, questões que são fundamentais para o bom desenvolvimento físico e psíquico das crianças.

Cecília e a Pediatra Shirlei Cardone, Coordenadora do Programa Saúde da Criança da SMS, destacam que a violência contra a primeira infância se inicia no pré-natal. E lembram que a criança é produto do meio em que é criada.

 

Por: Carmem Ziebell (Jornal Agora)