MIMUS promove debates sobre múltiplas infâncias

On-line e gratuita, a programação tem filmes e debates que destacam a riqueza das formas de criar crianças nos povos indígenas e nas comunidades que vivenciam religiões de matriz africana

Vem aí o MIMUS: Múltiplas Infâncias, Múltiplos Saberes, de 6 a 10 de julho, totalmente on-line e gratuito. Em cinco dias de programação intensa, com filmes e debates sobre a infância e desenvolvimento das crianças pequenas em povos indígenas, quilombolas, de terreiros  – comunidades que vivenciam religiões de matriz africana, grupos rurais e espaços periféricos. Durante o evento, que será transmitido pelo canal de YouTube da Usina da Imaginação, serão lançados documentários curtas-metragens da série Primeira Infância Indígena, com direção dos cineastas Rita da Silva e Kurt Shaw. As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo mimus.usinadaimaginacao.org/

No total são 15 convidados, entre eles profissionais referência e reconhecidos nacionalmente em suas áreas de atuação e inovadores no âmbito local. Participam nomes como André Baniwa (AM), escritor e liderança indígena do Alto Rio Negro; Priscila Obaci (SP), cofundadora da Capulanas Cia de Arte Negra e Umoja, que realiza criações cênicas com base na pesquisa das culturas de matrizes africanas; Joziléia Kaingang (SC), indígena Kaingang, antropóloga e pesquisadora; Elizete Antunes Ara’i (SC), liderança Guarani, com Licenciatura Intercultural Indígena pela UFSC;  Christiane Rocha Ciovana Falcão (SE), consultora em políticas públicas de promoção da igualdade racial e de gênero; e Luciano Ramos (RJ), historiador com especialização em Políticas Públicas para a infância e experiência em educação em gênero e sexualidade.

O objetivo do MIMUS, segundo a diretora do evento Rita da Silva, é tanto abrir espaço para trocas sobre saberes locais relacionados ao desenvolvimento das crianças pequenas, quanto ouvir a fala de diferentes grupos que historicamente não têm suas práticas de cuidados respeitadas e consideradas na construção de políticas públicas que impactam em suas próprias vidas.

“Os povos indígenas, por exemplo, reivindicam o diálogo para construção de programas e políticas públicas que respeitem ao seu modo de vida, como o cuidado com as crianças e o uso da terra, respeito ao modo de fazer parto, respeito a rituais sagrados do nascer e crescer, o uso da língua materna etc. A diversidade de práticas de cuidados para o desenvolvimento da primeira infância respeitam um conhecimento milenar que deve ser visto como patrimônio cultural. Não podemos mais ignorar que esses povos têm muito a nos ensinar”, diz Rita.

Espaço para trocas sobre múltiplas infâncias e desenvolvimentos das crianças

O debate “Primeira infância e desenvolvimento infantil comunitário” abre o evento, na terça-feira (6/7), a partir das 19h. Contará com a participação de André Baniwa (AM), Priscila Obaci (SP) e de Maria Theresa Marcílio (BA), presidente e fundadora da ONG Avante – Educação e Mobilização Social e coordenadora regional para as Américas do Projeto Líderes Globais da Educação Infantil do Fórum Mundial de Educação e Cuidados na Primeira Infância. Às 21h30 vai ter exibição do curta “Estímulos” da Série Primeira Infância Indígena. 

No segundo dia de programação,  quarta (7/7), o tema “Crianças pequenas Indígenas, diversidade de cuidados e desenvolvimento” estará no centro do debate. Já no terceiro dia – quinta (8/7), a conversa é sobre “Primeira infância, cuidados e universo simbólico e religioso”. No quarto dia de evento – sexta (9/7), convidados irão debater sobre “Primeira infância, diversidade de gênero e desenvolvimento”. Para fechar a programação no sábado (10/7), o papo será sobre “Adaptações das políticas públicas às múltiplas infâncias”. 

Os debates e exibição de filmes começam todos os dias às 19h. Somente no sábado (10/7) – dia do encerramento, a programação será realizada na parte da manhã, a partir das 8h45. O evento é realizado pela Usina da Imaginação com o apoio do Centro de Desenvolvimento Infantil da Faculdade de Medicina da USP. 

MIMUS terá lançamento de série documental sobre infância em povos indígenas no Alto Rio Negro

Durante o evento, será lançada a série documental “Primeira Infância Indígena”, com direção de Rita da Silva e Kurt Shaw, realizada com os povos indígenas do Alto Rio Negro, na região amazônica. Os seis filmes curtas-metragens trazem reflexões importantes sobre como os povos originários do Rio Negro pensam e atuam para o desenvolvimento da primeira infância. “Mostra a capacidade deles de desenvolver plenamente suas crianças, além de valorizar as práticas locais relacionadas à primeira infância”, conta Rita da Silva, que é antropóloga.

Por exemplo, licença maternidade X paternidade, pauta na qual o país não avançou, já existe na cultura indígena como um resguardo para homens e mulheres: “O pai fica com o bebê e cuida dele e da mãe”, conta Maria Pedrosa, da etnia Tukana, em curta-metragem da série. 

“Um dia André Baniwa, líder do povo Baniwa, nos disse: ‘pense numa criança de 3 a 4 anos que sabe diferenciar 19 tipos de mandiocas, remar canoa, nadar de um lado de um igarapé ao outro, sabe a diferença entre frutas venenosas e frutas boas e fala pelo menos quatro idiomas. E o Estado vem nos dizer que não somos capazes de desenvolver nossas crianças’. Isso me marcou muito”, relata o filósofo Kurt Shaw. 

 A série começou a ser produzida em  2015, quando Rita e Kurt entrevistaram mulheres de aldeias do rio Içana que tinham como tradição cantar cantigas de ninar para crianças.

Em 2018 e 2019, já com a produção avançada, Rita, Kurt e uma equipe de produção e pesquisa indígena exibiram os filmes ainda não finalizados mais de 50 vezes em mostras em aldeias e espaços urbanos onde vivem famílias indígenas. O objetivo foi falar com os povos originários sobre as práticas de cuidados locais mais importantes e nesse processo, ampliar a contribuição deles na construção das narrativas. 

“Os filmes cresceram por conta da participação das pessoas que assistiram. Acrescentamos novas ideias, novas entrevistas e novas imagens depois”, conta Kurt.

No Alto Rio Negro, vivem 27 etnias que falam 22 línguas. Na série de documentários, cinco línguas estão presentes nas narrativas: baniwa, tukano, nheengatu, tuyuka e português. Todos os curtas são legendados em português. 

O projeto da série de documentários venceu o edital Saving Brains, do Governo do Canadá, em 2017. No Brasil, a iniciativa tem apoio da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal e da Fundação Bernard van Leer.

Serviço

MIMUS: Múltiplas Infâncias, Múltiplos Saberes

 6 a 10 de julho

Pelo www.youtube.com/usinadaimaginacao

GRATUITO

Inscrições abertas: mimus.usinadaimaginacao.org/

Programação 

terça | 6 de julho

19h00 – Abertura do evento

19h40 – Debate “Primeira infância e desenvolvimento infantil comunitário”

  • André Baniwa (AM): Escritor e liderança que integra a Federação das Organizações do Alto Rio Negro (FOIRN), Baniwa, um dos povos indígenas do Alto Rio Negro.
  • Maria Theresa Marcílio (BA): Presidente e fundadora da Avante, é pedagoga e mestra em Educação pela Harvard. Coordenadora regional para as Américas do Projeto Líderes Globais da Educação Infantil do Fórum Mundial de Educação e Cuidados na Primeira Infância.
  • Priscila Obaci (SP): Mãe, militante e bacharel em Comunicação das Artes do Corpo com habilitação em teatro pela PUC – SP. É atriz, dançarina e poeta. Co-fundadora da Capulanas Cia de Arte Negra e Umoja, ambos desde 2007, que realizam criações cênicas híbridas (teatro/dança/música) com base na pesquisa das culturas de matrizes africanas. 

Mediação: Rita de Cácia Oenning da Silva e Kurt Shaw

21h30 – Exibição do curta “Estímulos” da Série Primeira Infância Indígena

quarta | 7 de julho

19h00 – Exibição do curta “Nutrição e Saúde” da Série Primeira Infância Indígena

19h30 – Debate “Crianças pequenas Indígenas, diversidade de cuidados e desenvolvimento”

  • Joziléia Kaingang (SC) – Indígena Kaingang, antropóloga e pesquisadora. Membra da Articulação Nacional das Mulheres Indígenas Guerreiras da Ancestralidade – ANMIGA, do Comitê de Assuntos Indígenas da ABA e fundadora da Articulação Brasileira dos Indígenas Antropologes.
  •  
  • Walderés Xokleng (SC) – Mãe e liderança indígena do povo Laklãnõ Xokleng. Mestre em história pelo Programa de Pós-Graduação em História da UFSC. 
  • Antonela Tassinari (SC) – Doutora em Ciência Social pela USP e Professora do departamento de Antropologia da UFSC, onde desenvolve projetos de pesquisa e extensão vinculados ao Núcleo de Estudos de Povos Indígenas – NEPI.
  • Elizete Antunes Ara’i (SC) – Liderança Guarani e Vice-Cacique Guarani da Aldeia Maciambu, em Palhoça-SC. Formada no Curso de Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica, Centro de Filosofia e Ciências Humanas da UFSC.

Mediação: Rita de Cácia Oenning da Silva e Kurt Shaw

21h00 – Exibição do curta “Gravidez e Parto” da Série Primeira Infância Indígena

quinta | 8 de julho

19h00 – Exibição do curta “Proteção” da Série Primeira Infância Indígena

19h30 – Debate “Primeira infância, cuidados e universo simbólico e religioso”

Maria Das Janiele (PE) – Mãe de Lua e Alabà, candomblecista e Juremeira. Iniciada Ósùn, estudante de jornalismo, moradora do Ibura, Jaboatão dos Guararapes – PE.

Izoneia Araújo (AM) – Liderança indígena da etnia Tariana, formada em biologia e mãe de 4 crianças. Diretora da escola municipal de São Gabriel da Cachoeira. Foi pesquisadora do projeto CanalCanoa: primeira infância indígena e atua com primeira infancia na pastoral da criança no Río Negro.

Christiane Rocha Ciovana Falcão (SE) – Mãe e militante antirracista, atua como consultora em políticas públicas de promoção da igualdade racial e de gênero. Especialista em Direitos dos Povos e Comunidades Tradicionais e mestra em Antropologia.

Mediação: Rita de Cácia Oenning da Silva e Kurt Shaw

21h15 – Exibição do curta “Canto e Linguagem” da Série Primeira Infância Indígena

sexta | 9 de julho

19h00 – Exibição do curta “Orientação” da Série Primeira Infância Indígena

19h15 – Debate “Primeira infância, diversidade de gênero e desenvolvimento”

  • Luciano Ramos (RJ) – Pai de menina e historiador com especialização em Políticas Públicas para a infância. Consultor em masculinidades, paternidades, violências baseadas em gênero e saúde do homem no Instituto Promundo do Rio de Janeiro. 
  • Caroline Drügg (RS) – Pedagoga especialista em Psicopedagogia, Políticas Públicas e Projetos Sociais e Culturais. Atua como Supervisora Técnica no Programa Primeira Infância Melhor – PIM do Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

Mediação: Rita de Cácia Oenning da Silva e Kurt Shaw

21h00 – Exibição do curta “Maria Teresa” da Série Pequenas Exploradoras

sábado | 10 de julho

08h45 – Exibição do curta “Políticas Públicas” da Série Primeira Infância Indígena

09h00 – Debate “Adaptações das políticas públicas as múltiplas infâncias”

  • Jaqueline Santos (SP) – Doutora em Antropologia Social, especialista nas áreas de educação, juventude, primeira infância, relações étnico-raciais, equidade e África. Consultora de projetos de Geledés – Instituto da Mulher Negra.
  • Marcos Pelegrini (RR) – Médico com doutorado em Antropologia Social, professor da Universidade Federal de Roraima e tem experiência profissional na área de planejamento e organização de serviços de saúde entre povos indígenas.
  • Maria Cristina Troncarelli (SP) – Educadora da equipe multidisciplinar do Projeto Xingu, de extensão da Unifesp, atua na formação de profissionais de saúde indígenas e não indígenas. Lecionou no Parque Indígena do Xingu de 1984 a 1988 através da Funai.

Mediação: Rita de Cácia Oenning da Silva e Kurt Shaw

11h00 – Exibição do curta “Daire Késia” da Série Pequenas Exploradoras

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.